[Fechar]

A História do Surfe na Austrália (parte 1)

história do surfe Uma das coisas legais sobre o surfe é que suas origens estão perdidas nas névoas da antiguidade, ninguém sabe absolutamente de onde ele surgiu. Na costa do Peru pescadores andavam em canoas de junco chamados "caballitos de tortora" e freqüentemente surfavam as ondas para voltar à praia. Existem ainda, algumas evidências pré-históricas de surfe em praias da África. Apesar de sua origem obscura, uma coisa é certa, pessoas que vivem perto do oceano de algum modo sabem que as ondas empurram em direção à praia e podem oferecer um passeio agradável e gratuito.

No entanto, os primeiros registros da história do surfe se deram com a exploração européia do pacifico no século XVII. O primeiro foi com notas da viagem de Louis de Bouganville as quais descrevem um taitiano surfando uma onda em 1768. E logo após diversos outros comentários sobre surfe no Taiti, foi à vez do grande navegador James Cook presenciar o esporte dos reis polinésios no Taiti e também no Havaí. Porém existia certa confusão sobre o que eles realmente haviam testemunhado devido à grande dificuldade que tinham ao descrever o esporte pela primeira vez.

Culturalmente no Havaí o esporte evoluiu num nível mais alto. O surfe fazia parte integral da cultura da ilha, uma celebração a um dos elementos mais importantes em suas vidas, o Oceano. Cerimônias faziam parte de muitas atividades relacionadas ao surfe, como por exemplo, fazer oferendas e produzir pranchas a partir de árvores sagradas. Os principais locais para prática de surfe eram também sagrados com lugares específicos para se realizarem rituais e observar pessoas surfando. O surfe, assim como uma atividade social, espiritual, física e tradicional era uma grande reflexão da cultura polinésia tradicional que se espalhou através do Oceano Pacífico.

No entanto, com a introdução dos missionários europeus, a prática do surfe sofreu uma crescente pressão por ser considerado obsceno e improdutivo, já que seus elementos religiosos eram simplesmente incompatíveis com as crenças dos missionários. Com isto, o surfe tradicional desapareceu sob a onda de doenças importadas e uma nova religião, sobrando apenas alguns praticantes no final do século XIX.

Foi então que Alexandre Hume Ford enxergou o potencial do surfe e organizou os remanescentes do surfe para fundar o "Outrigger Canoe Club" em Waikiki. Duke Kahanamoku, um jovem integrante desse clube era um habilidoso surfista que cultivava as tradições do surfe. Duke era também um excelente nadador, medalhista olímpico e com recordes mundiais. Com isto, em suas viagens que fazia ao exterior, ajudou a difundir ao surfe ao redor do mundo.

Foi assim na Austrália, onde no intervalo de uma competição entre dezembro de 1914 e janeiro de 1915, que Duke deu forma a uma prancha feita de madeira e fez uma demonstração de surfe em Frashwater Beach em Sydney. Apesar de já existirem algumas pranchas no país, ninguém sabia realmente usá-las como ele, e então os australianos ficaram realmente impressionados e excitados com o que viram. Isto certamente foi o principal fator que influenciou o crescimento do surfe tanto em popularidade quanto em credibilidade na Austrália.

Dessa maneira, muitos jovens aderiram ao esporte e até mesmo competições foram criadas, nas quais "Snowy" McAllister se destacou dominando-as, bem como promovendo o surfe em diversos níveis. Logo em seguida, pranchas evoluíram das tábuas maciças para as de compensados ocos seguindo designs vindos do Havaí.

Em 1956, após a competição do carnaval do surfe em Torquay, os americanos Tom Zahn, Greg Noll, Bob Burnside, foram vistos surfando em pranchas menores e mais leves do estilo "Malibu", com quilha e feitas de madeira balsa e fibra de vidro. Este foi um evento importante na evolução do surfe na Australia, pois introduziu um moderno equipamento na cultura do surfe australiano, facilitando a produção e surfabilidade, mudando dessa maneira o modo como surfariam a partir dali.

Posteriormente a um problema de distribuição de madeira balsa e a seguinte substituição pelo bloco de poliuretano, as pranchas de fibra de vidro foram produzidas em números jamais vistos, houve um grande aumento de praticantes do esporte e a cultura do surfe começou se espalhar por todo país. Filmes de surfe começaram a ser lançados e cada vez mais assistidos, enquanto que revistas especializadas eram produzidas para espalhar o surfe e promover causas e negócios relacionados ao esporte. Nessa época roupas para surfistas começaram a ser produzidas, surgindo assim a moda surfe.

Foram nos anos sessenta que começou o boom do surfe australiano com um grande interesse pelo surfe como esporte e modo de diversão nas férias de verão. Uma das alavancas para isso foi um filme americano sobre a vida real de uma garota chamada 'Gidget' que se envolveu com surfistas e aprendeu a surfar com eles, tal filme teve um grande sucesso e apresentou o surfe para milhões de pessoas em todo mundo. Outra alavanca foi um jovem surfista australiano chamado 'Midget' Farrelly que surpreendeu muitos ganhando em 1963 o 'Makaha Invitational' no Havaí, naquele momento o não oficial Campeonato Mundial de Surfe. Ele voltou a repetir seu impressionante desempenho ao vencer o primeiro Título do Surfe Mundial oficial na praia de Manly na Austrália no ano de 1964. Tudo isso aliado ao clima favorável e a pequena distância que a maioria da população vivia da praia, tornou os australianos herdeiros naturais do patrimônio do surfe e assim inúmeros 'Ozzies' adotaram o surfe e a cultura de praia. Logo foi criada a "Australian Surfing Association"(ASA) para regular e organizar campeonatos, bem como ser a voz do surfe na sociedade.

Ao mesmo tempo muitos aspectos culturais do surfe vieram a ser mais claramente definidos. Através da novata mídia especializada (filmes e revistas) a linguagem dos surfistas foi se espalhando. Era uma linguagem única que poucos de fora da tribo poderiam entender. Os nomes dos 'picos de surfe', equipamentos, estilos e manobras eram intermináveis e um tanto bizarros.

A 'Surf Music' continuou a se desenvolver com suas quase tribais batidas de tambores e intenso toque de guitarra (violão) intensa. Artistas como "Dick Dale", "The Atlantics", "The Denvermen", Jan and Dean levaram esse estilo de musica a ter um som distinto. Em seguida, "Beach Boys" mudaram para sempre maneira das pessoas gravarem e perceberem a música com refinado e inovativos métodos de gravação que celebravam a vida na água, na praia e garotas, garotas, garotas...

Continua (parte 2)…

Obs: Texto cedido por Craig Baird, Curador do Surf World Museum. Traduzido e editado por Tiago Dias.

LINK:

Um comentário:

Fernanda disse...

Muito interessante esse texto.
Eu surfo direto mais ou menos há uns 3 anos com meu namorado e não sabia mais da metade da história do meu esporte preferido. Já tive a oportunidade de ver uma prancha de madeira que era aproximadamente da década de 30 se não me engano.

Acho que hoje o que evoluiu bastante foram as roupas de surf. Mas sem dúvida o grande diferencial foram as pranchas. Ainda quero comprar uma surf Index Krown - Long Board que está em torno de R$1.000,00. Tive a oportunidade de pegar umas onda com uma dessa. è sem sombra de dúvidas uma ótima prancha de surf.

Beijos e parabéns pelo blog.

BlogBlogs.Com.Br